diálogos · gravidez

Diálogos #71 – Rafofura e a descoberta da gravidez

Fazia tempo que o Rafael dizia que queria muito um novo irmãozinho ou uma irmãzinha. Estava pedindo com bastante insistência, até, dizendo várias e várias vezes que “não esperava a hora de ter um bebê na fofamília”. No dia em que decidimos contar a novidade pra ele e pro Victor, algumas horas antes de a notícia ser dada ele me observou, me chamou e disse:

– Zeize, tu tá barrigudinha, hein? [mas ele não estava nem desconfiado que fosse gravidez, foi só um comentário mesmo]

Depois, quando contamos que o bebê já estava a caminho, ele ficou emocionadíssimo. Chorou muito e ficava me perguntando:

– É verdade, mesmo?

Daí pra frente ficou ainda mais grudadinho comigo. Levantava a minha blusa pra dar beijinhos na barriga. Eu disse que isso fazia cócegas, e ele me respondeu:

– Ah, Zeize, já vai te acostumando, porque vai ser sempre assim, agora.

No dia seguinte, lembrando-se da emoção que foi saber da gravidez, nos confidenciou:

– Foi a primeira vez na minha vida que eu chorei de alegria.

E agora ele está todo bobo, porque já conhece a experiência de ser irmão mais novo, mas vai poder saber também como é ser um irmão mais velho – e o único a ostentar o título de “irmão do meio”, já que o Victor só vai ser irmão mais velho e o bebê vai ser só irmão mais novo. Mas ele, dependendo da perspectiva (ou: do irmão a quem se refere), vai pode ser os três. Aí perguntou pro Victor:

– Victor, como é ser irmão mais velho?

Ao que o Victor, pra deixar o Rafa ainda mais ansioso, respondeu:

No spoilers.

Por fim, a torcida dele é para que o irmão ou a irmã nasça durante as férias, porque ele não vai “querer ir pra escola, pra ficar brincando com o bebê”.

Resumindo: ninguém ficou tão feliz e empolgado com a chegada deste bebê quanto o Rafa – acho que nem mesmo eu e o Jr, que somos os pais, haha. <3

diálogos

Diálogos #70

Um dia de manhã, o Rafa se acordou e deitou comigo no sofá, apoiado no meu peito. Depois, ele quis medir nossos batimentos cardíacos. Eu senti o dele e comentei que estava mais lento do que estou acostumada a sentir. Ele me respondeu:

– É. É que eu tô calminho aqui abraçadinho contigo.

A foto acima é desse mesmo dia do diálogo (9 de julho), bem desse momento, dele no meu colo. Estávamos os dois ainda de pijama, ele olhou pro rasgo do pijama dele e pra estampa do meu e disse:

– Olha, Zeize, dois pijamas de coração. Hehehe.

diálogos

Diálogos #69

O Rafa estava passando trabalho pra guardar uns livros na estante, livros de Star Wars. Ele empurrava e os livros não entravam. Então deu-se o seguinte diálogo:
Daise: Usa o poder da Força!
Rafael: Tô usando, o poder da força bruta.

diálogos

Diálogos #68

Está muuuito frio. O Rafa tem que tomar banho e vai direto pro banheiro, sem levar nada. Eu o chamo e digo que tenho uma sugestão: que ele pegue a roupa que vai usar depois para já vesti-la no banheiro e não ter que sair pelado pela casa até o quarto, passando frio. Ele então me diz:
– Ótima sugestão, Zeize. Obrigado. Merece um abraço [vem e me abraça], um abraço de uma hora.
Eu digo que é melhor ele ir logo tomar banho, mas que depois vou cobrar meu abraço de uma hora. E ele:
– Ah, mas sabe como é, o imposto tira a metade!
Update:
Registro do Rafa depois pagando o abraço, mesmo com o desconto do imposto. ;)
diálogos

meme do rafa

O Rafa achou um aplicativo de criação de memes no tablet e ficou se divertindo. Logo me chamou, pediu pra eu fazer a foto abaixo e criou este meme:

11937437_10153299734437096_2010895479015558606_n

Ele criou outros memes muito engraçados, mas do tipo piada interna, que fazem sentido pra gente, pra família, pra quem convive com ele. Essa brincadeira rendeu boas risadas – pra ele e pra gente.

diálogos

Diálogos #67

Passa uma propaganda de fralda na tevê, mostrando bebês e dizendo “Você é amado. Você é amado de muitas maneiras. Agora existe um novo jeito de sentir amor…”, relacionando esse receber amor com o uso daquele tipo de fralda. O Rafa olha, pensa e diz:- Eu não uso [essa fralda]. E sou muito amado. 

MUITO amado.
diálogos

Diálogos #66

Aqui em casa eu recebi um codinome muito delicado: dragão (porque como muito, abafa). Hoje, o Rafa inventou que eu também sou baleia, e deu-se o seguinte diálogo:

Eu: Baleia? Mas não era dragão?
Rafa: Tu é um dragão-baleia.
Eu: Mas por quê?
Rafa: Porque a genética te escolheu.